LULA: ESTOU MAIS PREOCUPADO COM A CLASSE TRABALHADORA DO QUE COM O QUE PODE ACONTECER COMIGO

Durante discurso no Congresso do PT em São Paulo, ao lado do ex-presidente uruguaio Pepe Mujica, o ex-presidente Lula declarou que tem se preocupado mais com a classe trabalhadora brasileira do que com o que pode acontecer com ele; Lula bateu duro nas reformas do governo Temer: “Eles estão rasgando todas as nossas conquistas desde 1943”; sobre a Lava Jato, disse que os investigadores “já estão com a tese pronta” contra ele, não importa o que ele diga ao juiz Sergio Moro na semana que vem em Curitiba: “O PT é uma organização criminosa, o Lula montou o governo para roubar, o Lula era o chefe”; o ex-presidente disse que, embora tenha 71 anos, está com energia de 30; “Eles conseguiram aflorar em mim uma coisa que pensei que já tinha passado”, declarou, sobre ser candidato à presidência novamente; “O Lula que eles queriam destruir parece um pé de mandacaru. Não precisa de muita água. Não preciso de muita imprensa”, disseO ex-presidente Lula afirmou na noite desta sexta-feira 5, em discurso durante a etapa paulista do 6º Congresso do PT, que tem se preocupado mais com a classe trabalhadora brasileira do que com o que pode acontecer com ele próprio.

Lula bateu duro nas reformas trabalhista e da Previdência do governo Temer, e alertou os presentes que a terceirização, ao contrário do prometido pelo governo, não vai criar mais empregos.

Ele criticou ainda a proposta do deputado federal Nilson Leitão (PSDB-MT), da bancada ruralista da Câmara, que abre a possibilidade de o trabalhador rural receber alimentação e moradia em vez de salário.

“Se a gente não se rebelar contra isso, quem vai pagar o pato é o pobre trabalhador, que muitas vezes nem sabe o que tá acontecendo”. “Eles estão rasgando todas as nossas conquistas desde 1943”, completou.

Sobre a Lava Jato, disse que os investigadores já “têm uma tese pronta” contra ele, e que não importa a versão que ele dê para o juiz Sergio Moro, no depoimento que prestará na próxima semana em Curitiba.

“Eles já estão com a tese pronta: o PT é uma organização criminosa, o Lula montou o governo para roubar até quando ele saísse, o Lula era o chefe”, disse Lula.

LULA É A OPÇÃO A, B E C PARA O PT, AFIRMA GLEISI HOFFMANN

A senadora pelo PT Gleisi Hoffmann concedeu entrevista a Luis Nassif, no GGN, abordando os tantos e importantes temas atuais. Ela analisa o PT, antes e durante a Lava Jato, sua importância na construção de um Brasil e os ataques que sofre com a tentativa de riscá-lo do mapa. Analisa os caminhos possíveis e desejáveis para o PT, e a opção Lula para 2018.

Gleisi diz da máxima criada pelos grupos majoritários de influência no Senado, que usaram o famoso “basta tirar a Dilma que o resto volta ao normal”, que foi tão propalado e tão negado nos resultados do governo Temer. A base formada para tirar Dilma vendeu isso para a sociedade, bem como a questão de que o vice tinha mais experiência política e daria muito mais vez e voz ao Congresso. A expectativa com isso era grande e foi por terra: a economia não melhorou e é ela que faz o ânimo da sociedade, a política centrada só no Congresso sem a sociedade começa a fazer água, e isso começa a ter influência na opinião pública, fazendo com que a sociedade seja mais crítica.

Segundo ela, não podemos nos esquecer que em 2018 temos eleições e os congressistas ouvem suas bases. Temer não será candidato, mas os congressistas tentarão se manter no cargo, há este termômetro. Nesta situação está Renan e outros que apoiaram a deposição de Dilma e agora estão vendo que a coisa não está tão boa. Temer não foi detectado tão fraco como está se saindo pois antes fazia a política do parlamento, conversar com deputados, troca de favores, e ele levou este estilo para a presidência da República. O projeto de Nação que estas pessoas que tomaram o poder estão levando para o Brasil hoje é essa, desmontar Eleições 2018 Brasil a previdência, cortar recursos, desmontar a Petrobras, desmontar conteúdo nacional, eles não tem sequer uma política estruturada de direita, são somente serviçais do capital financeiro.

A Lei do Abuso teve uma discussão muito positiva dentro do Senado. Primeiro que foi simbolicamente importante aprovar a lei de Abuso de Autoridade, que não vai afetar só o Judiciário, mas sim a todos, inclusive os congressistas. Ninguém quer viver com abuso de autoridade. Era um projeto de lei que estava no Senado desde 2009 e o Senado Requião foi muito eficiente na condução do debate, foi de uma forma muito boa, foi ouvida toda a sociedade, e inclusive o Moro participou, e o projeto final ficou muito bem equilibrado.

A questão da Lava Jato não é um tema que perturba tanto quanto no início. As pessoas já perceberam que é preciso mudar, não com a criminalização da política mas com a mudança do que está errado no sistema político. O que conta é a democracia, ela é que precisa ser preservada. O próprio Congresso já se movimenta contra esse tipo de ação da Lava Jato, de colocar tudo para a mídia, misturar tudo. Então há uma reação melhor a este projeto.

Para Gleisi o PSDB acabou, esfacelou. E relata a inoperância deste partido dentro do próprio Senado e na Câmara. O que fazia e o que tem hoje de denúncias travando seus representantes.

Fala também da delação do Pallocci e os riscos que ele mesmo está correndo, pois que estão negociando com ele. Ela teme que façam com ele o que fizeram com Léo da OAS e Marcelo Odebrecht, ou seja, só aceitam se falar o que eles querem.

Quanto ao Supremo Tribunal Federal, apesar de tudo, ainda é o único recurso que se tem contra tanto desmando. Mesmo se politizando, querendo assumir um papel que não é dele, com ministros que dão suas sentenças com base na política e na opinião pública do que na Constituição, ainda é o último recurso.

Fala muito da mídia e sua atuação em toda esta situação, seja antes ou depois da Lava Jato, sempre ciente do que acontecia mas que fez o jogo de cena, manipulando a informação para atingir Lula e o PT.