Pesquisa mostra crescimento de Lula e Bolsonaro na disputa pelo Planalto

Ex-presidente petista lidera levantamento realizado em dezembro, mas tem apenas oito pontos percentuais de frente

A mais recente rodada do instituto Paraná Pesquisas, divulgada neste sábado (30/12), indica uma leve oscilação positiva dos dois líderes na disputa pelo Palácio do Planalto em 2018.

O ex-presidente Lula (PT) e o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) cresceram três pontos percentuais cada com relação à última pesquisa, de setembro.

O petista lidera, com 29,2% das intenções de voto, enquanto o pré-candidato da extrema direita, aparece com 21,1%. Há três meses eles tinha 26,6% e 18,5%, respectivamente.

Em terceiro lugar está a ex-senadora Marina Silva (Rede), com 6,8%; seguida pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), 7,9%; o ex-ministro do STF Joaquim Barbosa (Sem partido), 6,8%; o ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), 5,2%; Álvaro Dias (PSL), 3,5%; os outros candidatos não marcaram 1%.

A pesquisa foi realizada entre os dias 18 e 21 de dezembro de 2017, com 2.020 eleitores em 25 Estados e no Distrito Federal, e tem margem de erro de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Bolsonaro cresce ao vestir figurino do “anti-Lula”. Mas isso pode prejudicá-lo

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) está vencendo sua primeira guerra de comunicação para se tornar um candidato viável para a Presidência em 2018. Ele é, de longe, o concorrente mais identificado pelos brasileiros como aquele que se opõe ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. E, ao encarnar o “anti-Lula”, Bolsonaro cresce nas intenções de voto agregando a simpatia de quem rejeita o petista. A estratégia, porém, é arriscada. Ao mesmo tempo, o deputado aumenta sua rejeição. E pode perder o discurso se Lula não for candidato.

Levantamento do Instituto Paraná Pesquisas divulgado na sexta-feira (28) mostra que 32,2% dos eleitores indicam Bolsonaro como o concorrente que mais representa o “anti-Lula” ou o “anti-PT”. Na segunda posição, vem o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), com 14,5%. Depois aparecem Marina Silva (Rede), com 12,3%; Geraldo Alckmin (PSDB), 7,6%; Joaquim Barbosa (sem partido), 7,3%; Ciro Gomes (PDT), 3,6%; e Alvaro Dias (Podemos), 2,8%.

O diretor do Instituto Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo, afirma que o forte discurso de Bolsonaro contra Lula vem lhe garantindo o crescimento nas intenções de voto, pois o petista tem alta rejeição (55,8%). A mesma pesquisa mostra que o deputado consolidou a segunda posição na corrida eleitoral com índices que variam de 18,7% e 20,8% dependendo do cenário – contra 25,8% e 26,1% de Lula. “Quem não gosta do Lula vai votar em qualquer outro concorrente que evite que ele se eleja presidente.”

Mas, ao mesmo tempo em que cresce batendo em Lula, Bolsonaro também aumenta sua rejeição, que é de 53,9%. “A estratégia do Bolsonaro é inteligente para ele ir ao segundo turno. Mas, para ganhar a eleição, é diferente. A rejeição alta pesa”, diz Hidalgo.

O diretor do instituto destaca que embora Bolsonaro e Lula tenham índices de rejeição semelhantes, nesse ponto o petista está numa situação melhor. “À exceção do Lula, até agora ninguém ‘apanhou’ [foi alvo de acusações e teve a vida esmiuçada].” Ou seja, quando a “artilharia” começar contra os demais candidatos, a rejeição a eles tende a aumentar e os índices de intenção de voto, a cair.

Bolsonaro diz que Che Guevara, ídolo de Neto, ‘exterminava gays’; vídeo.

No início de maio, o jogador do Palmeiras, Felipe Melo, defendeu Bolsonaro, pedindo que Deus abençoasse todas as pessoas que trabalham, que os ‘vagabundos’ se dessem mal, finalizando com a expressão ‘Bolsonaro neles’.

E, claro, como é de praxe, Jair Bolsonaro gravou um vídeo agradecendo o gesto do jogador de futebol e o cumprimentou por não ter sido ‘politicamente correto’.

Mas nem todo mundo ficou ‘agradecido’ pela atitude de Felipe Melo..

O ex-jogador de futebol e comentarista Neto, da Rede Bandeirantes, teceu inúmeros comentários jocosos em face do jogador do Palmeiras e afirmou que este não deveria ter dado nenhum tipo de moral para um ‘homofóbico’ como Bolsonaro.

Além disso, Neto disse que Felipe Melo não precisava ter feito isso, que foi um comentário totalmente desnecessário por parte do palmeirense.

Só que Bolsonaro não deixou barato e jogou tudo na cara de Neto, inclusive uma foto dele abraçado com o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva [que vai prestar depoimento no caso do triplex do Guarujá, em Curitiba, hoje (10)], onde usa camiseta com a estampa do guerrilheiro, político, escritor e médico cubano-argentino Che Guevara, o qual o Deputado afirmou que exterminava gays.

Confira a seguir, o vídeo onde o parlamentar põe a boca no trombone.