‘Não há interesse’, diz PSDC sobre ter Bolsonaro candidato em 2018

O PSDC (Partido Social Democrata Cristão) negou uma declaração do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que havia dito estar “namorando” com a legenda para disputar a Presidência em 2018. O partido disse em nota divulgada na 3ª feira (18.jul) que “não há interesse da Democracia Cristã” pelo nome do deputado. E, que o pré-candidato da sigla será definido entre nomes já filiados.

Em declaração ao jornal O Estado de S. Paulo, Bolsonaro havia dito que busca 1 partido “sem problemas”. “Com a Lava Jato e tudo mais, não adianta eu entrar para um partido grande e enrolado em denúncias”, afirmou o presidenciável.

O PSDC é 1 partido pequeno e com pouco impacto na política nacional. Desde 1998 lança o nome do ex-deputado e presidente da legenda, José Maria Eymael, para concorrer ao Planalto. Em 2014, ele ficou em 9º lugar, com 61.250 votos.

Em nota, a sigla confirmou que deve novamente lançar 1 candidato à Presidência. O anúncio deve ser feito em agosto durante congresso do partido em Curitiba (PR). Leia a íntegra da nota do PSDC:

“A Comissão Executiva do Diretório Nacional do PSDC, Partido Social Democrata Cristão, face às noticias publicadas pela imprensa nacional, de que o Deputado Federal Jair Bolsonaro, tem manifestado interesse em manter entendimentos com o PSDC, visando ser candidato à Presidência da República em 2018, pela legenda, vem através desta Nota Oficial informar que:

1. Não existem esses entendimentos e não há interesse da Democracia Cristã em relação a
2. A Democracia Cristã terá candidato próprio a Presidente da República nas Eleições Gerais de 2018.

3. O nome do Pré- Candidato do Partido a Presidente da República, entre os seus atuais filiados, será indicado no 7º Congresso Nacional a ser realizado em 5 de Agosto de 2017, em Curitiba – PR.”

EM BUSCA DE 1 RUMO – Bolsonaro candidato em 2018

Jair Bolsonaro já afirmou que está de saída do PSC (Partido Social Cristão), sigla para onde levou os filhos Eduardo (deputado federal por São Paulo) e Carlos Bolsonaro (deputado estadual pelo Rio de Janeiro).

A procura por 1 novo partido ganhou força após o crescimento de Bolsonaro em pesquisas de intenção de voto. É o caso do último levantamento do DataPoder360. Aponta o deputado em empate técnico na liderança com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Bolsonaro já cogitou ingressar em 1 partido que ainda não existe: o Muda Brasil. A nova legenda, contudo, precisa da aprovação do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para ser fundado.

Bolsonaro está em seu 7º mandato consecutivo na Câmara dos Deputados. Ele já foi filiado a outros 6 partidos: PDC, PPR, PPB, PTB, PFL e o PP, legenda que deixou para migrar ao PSC.

Leia mais sobre eleições 2018 bolsonaro: http://www.eleicoes2018brasil.net/eleicoes-2018-bolsonaro/

Data Poder 360: Lula lidera e Bolsonaro fica em 2º; brancos e nulos chegam a 28%

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lidera em dois cenários testados em pesquisa nacional realizada pelo DataPoder360 para a eleição presidencial de 2018. Lula tem 25% das intenções de voto, enfrentando maior ou menor concorrência a depender do candidato do PSDB. Quando o postulante é o prefeito de São Paulo, João Doria, o tucano fica em terceiro, com 13%.

O segundo lugar é do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que obteve a preferência de 14% dos entrevistados. Marina Silva ficou em quarto, com 9%, seguida de Ciro Gomes (6%). Brancos e nulos somam 26%; não sabem ou não respondem 7%. Os números correspondem a abril de 2017. Na consulta em maio, há pequenas alterações: Lula obtém 27%; Bolsonaro, 17%; Marina fica empatada com Ciro, com 6%; brancos e nulos totalizam 24%; 8% não souberam ou não responderam.

A margem de erro é de 3 pontos percentuais. No cenário simulado com Geraldo Alckmin, governador de São Paulo, Lula mantém 24% em abril, seguido de Bolsonaro, com 18%; Marina, com 11%; Alckmin com 11% e Ciro, com 5%. A quantidade de nulos e brancos supera qualquer candidato individualmente, correspondendo a 25%; enquanto 9% não souberam ou não responderam.

Em maio, há um crescimento de Lula, Bolsonaro e dos brancos/nulos: respectivamente, foram 25%; 21%; 28%. Entre os candidatos, Bolsonaro mantém o segundo lugar, com 21%, seguido de Marina (7%), Ciro Gomes (5%), Geraldo Alckmin (4%).

Os que não souberam ou não responderam 10%. Ex-governador do Ceará, Ciro Gomes é o candidato com maior rejeição: 56% dos entrevistados não votariam nele de jeito nenhum. Lula e Alckmin empatam, com 54% de rejeição. Marina tem 53% de rejeição, mas é lidera como “voto possível” – é considerada assim por 26% dos entrevistados.

Lula e Bolsonaro aparecem empatados em pesquisa

Um levantamento realizado pelo Instituto Paraná Pesquisas, divulgado nessa segunda-feira (8), mostra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) empatados na disputa para ser o próximo presidente do país. A pesquisa estimulada, que abrange os eleitores do Rio Grande do Sul, mostra ambos com 19,4% caso a eleição fosse disputada com a ex-ministra Marina Silva (10,9%), o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (9,7%), o ex-presidente do STF Joaquim Barbosa (7,1%), o ex-ministro Ciro Gomes (5,7%), o presidente Michel Temer (2,5%) e o senador Ronaldo Caiado (0,8%). Os que optaram por “nenhum” representam 17% e os que não souberam responder 7,5%.
Também foi perguntado aos entrevistados quem teria mais chance entre os nomes do PSDB. O prefeito de São Paulo, João Doria, aparece em primeiro lugar com 21,7%, e o senador José Serra (13,6%) em segundo lugar. O senador Aécio Neves, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin; e do Paraná, Beto Richa; estão com 11,3%, 9% e 1,6% respectivamente.
No levantamento estimulado feito com os políticos do PT, Lula aparece em primeiro lugar com 20,8%, o ex-governador gaúcho Tarso Genro com 14%, a ex-presidente Dilma Rousseff com 6%, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad com 2,4% e o ex-ministro Jaques Wagner com 0,8%.
Os dados também revelaram que apenas 1,1% consideram a administração do presidente Michel Temer (PMDB) como ótima e 73,1% disseram desaprovar o governo do peemedebista. Além disso, 36,6% definiram a administração de Temer como “pior” do que a de Dilma Rousseff. Apesar de acharem a gestão de Temer “pior”, 68,3% acredita que as denúncias de corrupção contra a ex-presidente são verdadeiras.
O trabalho de levantamento de dados foi feito através de entrevistas pessoais com eleitores maiores de 16 anos em 68 municípios entre os dias 02 a 05 de maio de 2017. Segundo o Paraná Pesquisas, “a amostra representativa do Estado do Rio Grande do Sul atinge um grau de confiança de 95,0% para uma margem estimada de erro de aproximadamente 2,5% para os resultados gerais”.